+55 11 4134-8000   |   contato@mtel.com.br   |  

Blog

Imagem ilustrativa para o post "Errar, aceitar, falar e ouvir"

Errar, aceitar, falar e ouvir

Já dizia Dona Catarina: “Deus nos deu dois ouvidos e uma boca para falarmos menos e ouvirmos mais”. Quanto você ouve?

por Mauricio Blanco

Alguns momentos que passei com minha avó, quando ainda era criança, marcaram a minha vida e me transformaram no Maurício que vocês conhecem hoje.

Lembro como se fosse ontem de algumas coisas que ela costumava cozinhar para mim e minha família: aquela lasanha sem igual; a simplicidade – e delícia - do arroz, feijão e carne moída; o tradicional bacalhau de Páscoa, o pão de ló...

Mas tem algo, que passa bem longe da cozinha, que Dona Catarina deixou  e que me ajuda em diversos momentos da minha vida, seja no lado pessoal, seja nos negócios: “Deus nos deu dois ouvidos e uma boca para falarmos menos e ouvirmos mais”. Sábia.

A vida é feita de constantes erros e acertos. Não precisamos saber de tudo e nem sempre conseguimos o que queremos, mas é preciso ter humildade para ouvir e entender quando algo não dá certo.  E ouvir não precisa ser a audição em si, mas simplesmente parar de olhar para dentro dos próprios pensamentos e ficar atento ao que acontece à nossa volta, absorvendo informações e trazendo novas premissas para nossas escolhas. Sem abrir a cabeça, fica difícil parar de dar murro em ponta de faca antes de acabarem todas as alternativas.

Em processos de inovação, este ciclo – tentativa – erro/acerto – capacidade de ouvir/cabeça aberta para entender – autoavaliação – é constante.  Quanto mais tempo demoramos para fazer essa autoavaliação, mais dinheiro e tempo perdemos – mesmo quando achamos que estamos tendo sucesso.

Já fiz algumas apostas arriscadas e até tentei entrar em um mercado do qual não tinha conhecimento. Enquanto estava em um período sabático, entre a Enterasys e a MTEL, decidi me aventurar em mineração. Não vou entrar nos detalhes aqui, mas a lição que ficou é: não deu certo porque, acima de tudo, eu não sabia o que fazer neste setor. O ramo era promissor, a ideia não era de todo o mal, mas sem contatos e domínio do tema fica difícil fazer alguma coisa. O negócio empolga?... Claro! Chama a atenção, dá frio na barriga e tudo. Porém, sem usar os dois ouvidos antes de sair correndo e fazendo, a coisa desanda.

Também já tentei, em outra época mais recente, entrar no mercado de B2C com mobilidade e conectividade. A meta era movimentar milhares de produtos em contratos com instituições de ensino, mas não conseguimos nem 1% do que pretendíamos e acabei com o projeto em pouco tempo.

Hoje sei que não posso sair do meu foco. Já entendi o meu posicionamento dentro e fora da MTEL – e é ele que vou seguir. E isso não significa que sempre vou tomar as decisões certas, mas que tentarei, ao máximo, usar os erros da forma mais positiva possível.

E aqui vale uma explicação adicional. Por mais que estudemos e planejemos, na hora que estamos com a mão na massa surge uma variável que jamais teríamos acesso antes de tudo começar: o desenrolar do planejamento e seus imprevistos. Ou seja, por mais que nos preparemos, jamais conseguiremos prever todos os cenários possíveis para uma ação. O lado ruim de errar é insistir num cálculo que se provou mal feito. É tapar nosso dois ouvidos e ignorar a realidade, seguindo o que está em nossa cabeça.

O lado bom, por sua vez, é usar essas situações para abrir as portas da percepção, entender as novas informações que chegam e reprogramar a rota que seguíamos.

Nós, que somos empreendedores, temos de tirar o melhor daquilo que podemos. Mas, para isso, temos que falar menos e ouvir mais. Talvez esta seja a lição mais difícil.

Foto de Mauricio Blanco

Mauricio Blanco

Se tem uma coisa que sei é que não bastam 20 anos de experiência em TI para ter alguma segurança sobre o que é certo e o que é errado. É por isso que sempre estou aberto a ouvir o que os outros têm a dizer e, também, a deixar o que foi para trás quando chega alguma inovação. Por isso, estes oito anos que acumulo à frente da MTEL, sem contar os 11 que estive na Enterasys, só me fazem ter certeza que o presente e o futuro que ditam os negócios, e não o passado.

Comentários

Realmente interessante, ensinamentos de casa que levamos a vida toda, inclusive para a vida profissional. Aprender a ouvir é a primeira grande lição de quem quer mesmo saber o que falar! Valeu!

Luiz

Se a opinião da sogra valer.....Maurício, vc nasceu vencedor,com um enorme coração.

Helena rega

Se a opinião da sogra valer.....Maurício, vc nasceu vencedor,com um enorme coração.

Helena rega

Qual a sua opinião?